quarta-feira, 29 de junho de 2016

Paradigma não é um Rudimento


Achei interessante este artigo do Adalberto Brajatschek e resolvi compartilhar com meus amigos bateras.

A ideia geral deste texto é te convidar para uma reavaliação constante dos seus paradigmas. O que está funcionando? O que está te impedindo de avançar? 

Muito bem... paradigma não é um rudimento. O que é então? No dicionário da língua portuguesa podemos encontrar a seguinte definição: “Algo que serve de exemplo geral ou de modelo”.

Os modelos são muito importantes como ponto de partida, porém devem ser questionados e revisados sempre!

Certa vez fui a um workshop de dois grandes bateristas. O primeiro defendeu ferozmente a técnica de pinça (dedos).  Deu seus mil exemplos, gesticulou, tocou e “deixou seu recado”.  Quando o segundo baterista iniciou sua apresentação, uma das suas primeiras frases foi: “O lance de pinça não tem nada a ver. A jogada está no uso do pulso”. Claro que ele não estava querendo desmentir o outro baterista, mesmo porque eles são amigos. Ele fez isso sem perceber. O que ocorreu é que cada um estava tão “fechado na sua verdade” que a tinha como absoluta. Mas, e o pessoal que estava assistindo? Como ficou sua cabeça?

Uma ideia que me parece interessante (aqui estou eu lançando um paradigma) é: “Desconfio até que EU me prove o contrário”.

Quando vejo uma técnica “diferente”, um prato de “cabeça para baixo”, um modelo de baqueta, uma maneira de se sentar no banquinho, bateria com 1 caixa, bateria com 15 caixas, etc., etc., etc., eu me pergunto: “Isso serve para mim? Isso se encaixa na minha estrutura física? Isso tem a ver com o meu som ou com o som que estou fazendo no momento?”.

A única maneira de obter a resposta é experimentar e tirar minhas próprias conclusões. Veja bem que são as minhas conclusões. Ou seja, como determinado modelo ou ideia se comporta na minha realidade musical, física, emocional?

Resumidamente eu poderia dizer: Vamos abrir nossos olhos, ouvidos e mente para a experimentação, pois, quando alinhamos o corpo e a mente ocorre a evolução. 

Então, apesar do paradigma não ser um rudimento, ele deve ser estudado e confrontado diariamente.



Fonte: Batera.com.br

terça-feira, 28 de junho de 2016

Guitarrista Angelo Torquetto da banda Doomsday Hymn inicia serie de videos, vale a pena conferir...


Angelo Torquetto guitarrista da banda Doomsday Hymn começa sua serie de videos, vale a pena conferir trabalho bem interessante, timbre fantástico, pegada legal, e uma melodia muito bem colocada.

Angelo Torquetto - " Vai ai um vídeo instrumental, sem edição de áudio! Guitarra Harpia Custom Guitars HT7, BOSS ME-25 e Reaper. Espero que gostem e é o primeiro de muitos variados. "



Fanpage Angelo Torquetto: https://www.facebook.com/Torquetto







sábado, 25 de junho de 2016

Entrevista com TOM ABELLA um dos maiores guitarristas da Colombia...


Fala galera beleza? Hoje teremos uma entrevista um pouco diferente, nossa primeira entrevista gringa com um dos maiores guitarristas da COLOMBIA, hoje falamos com TOM ABELLA, confira a entrevista original... curtam, comentem e compartilhem

Hola chicos de sonido hoy estoy aquí para una entrevista allá arriba, al aire, ahora estoy hablando del TOM ABELLA, curtam, comentar y compartir: 

Renato Ribeiro: Hola Tom está bien? En primer lugar me gustaría dar las gracias por la entrevista y por el apoyo que le han dado al blog, pero ahora vamos a preguntas, cómo y cuando tuvo un interés en ser un músico profesional y música en vivo? 

Tom Abella: Muchas gracias ante todo por la entrevista un saludo a la GALERA en Brasil, y encunato a como y cuando empeze a enamorarme de lo que yo llamo mi 'Dios Musica'; desde que estaba empezando todo el boom del Rock en Espaniol empezo la radio en mi pais (Colombia) a llegar mas musica en nuestro idioma y puedo decir que bandas como 'Soda Estereo', Baron Rojo'  y toda esa honda que no habiamos vivido los que identificamos con rapidamente nos dimos cuenta de que eseera el camino...alrededor de 1987 fue eso y simultaneamente empezaron a surigir bandas en mi pais como 'YAGE BANDA', 'KRAKEN' 'Darkness' en fin varias bandas locales que fueron inspiracion guitarristas de Colombia tambien como "Knuto","Morris Bravo" Teto Campo", "Sergio Solano" quienes fueron pioneros juntocon otros tantos en esa epoca marcaron el camino de muchos de los cuales ya no quedamos tantos...pero el punto es que desde que conoci en en 1989 la guitarra nunca mas la he dajado ya que la persona que ves hoy anios despues sigue siendo el mismo muchacho enamorado de la guitarra que sigue soniando con conocer a fondo este hermoso "pedazo de madera bien pintado con cuerdas de acero"
Y bueno lo de hacer musica en vivo pues es la meta de casi todo musico en especial si es la musica compuesta por el mismo, asi mismo me pasa a mi.

Renato Ribeiro: Hoy en día sabemos que el principio todo es muy difícil, sobre todo en la música, en Brasil, al menos, las cosas toman un tiempo para pasar, lo que fue el más difícil de conseguir en el negocio de la música?

Tom Abella: Bueno pienso que nada es facil en la vida ni en Brasil y menos en un pais como el mio que esta regido por en un 90% de musica tropical es una barrera mas si eres un musico de los que te encanta el Rock, el blues o el jazz no tenemos en una ciudad como Bogota muchos lugares para presentar tantnas bandas, aun que eso ocurreo en muchos paises en los que he estado tocando es como querer ser patinador de skybord en el decierto jajajaa
Y bueno yo trato de no decirle negocio a la musica me parece denigrante tratar una ciencia tan compleja como un negocio, suena romantico pero es que pienso que a el que cree ciegamente en su suenio y da el paso de Fe seguro que la musica se lo recompensa, lo que pasa es que desde mi punto de vista no es en un corto tiempo puede llevarle mucho prepararse y una ves este listo sera cuando venga la mejor parte o la que siempre a soniado lo que pasa es que nadie habla de los momentos duros que tenemos que soportar los soniadores jejeje
Y bueno lo mejor que les puedo decir es que sean constantes y perseverantes y es preferible morir en el intento que morir sin intentarlo.

Renato Ribeiro: Usted es un guitarrista muy versátil, toca jazz, blues, hard rock, progresivo y así sucesivamente, lo importante para que usted pueda estar jugando y estudiando diferentes tipos de estilos musicales y ponerlo todo en su sonido particular?

Tom Abella: Si entre mas versatilidad tienes mas grande seran las posibilidades de construir un edificio sinfonico con mas atracciones sonoras...


Renato Ribeiro: ¿Cómo gran guitarrista que ya se comparte el escenario con algunos de los grandes nombres de la música como Frank Gambale, Kiko Loureiro, Dream Theater, Steve DiGiorgio entre muchos otros, se imagina ser uno de esos grandes nombres o que no creía que fuera a volar tan alto?

Tom Abella: Bueno si es una gran experiencia y una gran oportunidad de tocar con los que tanto te han inspirado para poder aprender por encima de todo y crecer como musico y como persona sobre todo, y pues volar alto en realidad hasta ahora voy a empezar mi carrera internacionalmente hablando y creo que aun no he echo nada relevante como para creer que este al nivel de esos mountros aun faltan muchas cuerdas que cambiar y muchos kilometros que volar...

Renato Ribeiro: Hablando de grandes músicos, donde todos ellos están siempre juntos incluido usted, es en el NAMM una de la mayor feria de música en el mundo y en su presentación que tenía la distinguida presencia de Steve Vai una de sus mayores influencias verte jugar para estrecha, por lo que hizo eso para usted? 



Tom Abella: Bueno esas son cosas que uno puede decir que el "Dios Musica" esta presente si haces bien las cosas o por lo menos cuando crees ciegamente en el suenio del que te hablaba en una de las respuesta anteriores; el que una de mis mayores influencias estuviera escuchando mi musica y viendo mi presentacion en el NAMM claro fue inpactante para todos los que estabamos ahi, ya que ni lo de Laney amplification le daban credito a lo que veian ya que ellos me (los de Laney) me decian:ese tipo de esteellas jamas le ponen atencion a nadie, bueno no se que penso Steve Vai no puede hablar con el por cosas de esas del destino pero fue el examen de Dios jajajajaa que mando al PAPA a ver como estaba tocando este monje de la guitarra jajajaa.

Renato Ribeiro: Ahora cambiando un poco de tema y hablar sobre el equipo, que normalmente se utiliza actualmente su configuración, efectos de guitarra, amplificadores? 

Tom Abella: Bueno yo uso y le saco sonido a lo que tengo o a lo que me dan mis Patrocinadores como la linea  Laney Iron Heart que me dieron que esta buenisima, lo mismo con la empresa de guitarras italiana "EKO Guitars" quienes me enviaron la guitarra que he usado durante mas de un anio y medio ya que estoy a la espera de mi modelo custom Tom Abella y por el lado de los pedales tengo un sponsor con MOOER pedals y D'addario strings..y bueno yo creo que el tono del instrumente esta en el alma del musico y como para mi el alma es el cerebro del ser vivo (ya que si lo pierdes no te lo pueden reemplazar) y el verdadero reto esta en bajar ese sonido de la cabeza a las manos...

Renato Ribeiro: Usted sin embargo vive en Colombia el derecho de Estados Unidos? ¿Por qué tiene esta decisión para salir del país? 

Tom Abella: Bueno la primer razon para salir de mi pais es que ya deben estar cansados de escucharme y ya mucha gente sabe como suenas y ves que se te acaban las ideas en un solo lugar y bueno vine a USA ya que vi la posibilidad desde la primer ves que vine al primer NAMM en el 2015 y ya una ves terminado mi cuarto trabajo musical "The Architec Of The Universe" en 2016 hice el lanzamiento en el NAMM y bueno me quede en estas tierras ya que es todo o nada y uno como musico tiene que invertir en su carrera...

Renato Ribeiro: ¿Cuál es esencial para cualquier músico que sea capaz de vivir la música en su opinión? Independientemente de la zona, ya sea como productor, endosar, músico, compositor y otros. 

Tom Abella: Bueno como pruductor, musico y compositor lo unico que puedo pensar es en que lo mas importante es hacer y escuchar su propia musica he conocido miles de casos de musicos que no pueden componer nada por que nada les satisface o por que les suena a esto o a lo otro y ahora pienso que para ser original ahi que ir al origen...

Renato Ribeiro: A medida que la música brasileña se ve hoy en día en América Latina y América del Norte? 

Tom Abella: Claro estan mas expuestas nuestras raices ahora mas que nunca pienso yo, y pienso que este es el momento para que nosotros le demos un giro a la moneda y veamos que esto hasta ahora empieza en Latinoamerica mientras que en USA ya no ahi tanta pasion como la ahi en los musicos Latinoamericanos que venimos con sangre nueva y sonidos renovados...

Renato Ribeiro: En la actualidad lo que le gusta escuchar a las horas de descanso? Bandas o artistas ... 
Tom Abella: En realidad hace unos 5 anios que deje de escuchar musica de otra gente, me refiero a que llegue al punto en que quiero quitarme las influencias a pesar de que los artistas siempre seremos insiprados en los grandes que nos hacen soniar con un futuro como el de ellos...pero pues mis bandas favoritas son :PLANET X, SPASTIC INC,TRIBAL TECH y bandas de ese calibre...y musicos obviamente musica clasica Paganini,Bela Bartok,Miles Davis,Frank Zappa y bueno pues ahora tambien me gusta mucho el son y la salsa clasica como Alfredo de la Fe,Hector Lavoe otras cosas mas minimalistas como Jan Tirzen me gusta mucho la musica de souns tracks of movies...

Renato Ribeiro: Del Corazón Tom quisiera agradecer el tiempo dedicado a nuestra entrevista. ¿Le gustaría dejar un mensaje para nosotros y para nuestros lectores?

Tom Abella: Si claro muchas gracias a ti Renato y a los seguidores de mi musica en Brasil y Latinoamerica y lo unico que les digo es que sigan perseverando esto es de tiempo y paciencia ahora todos quieren tener sponsors y hacer videos pero no se olviden de el verdadero amor a descubrir nuevas formas cimetricas en la guitarra a no dejar de aprender y recuerden el reto es con uno mismo "YO QUIERO Y PUEDO SER MEJOR QUE AYER"





Conheça um pouco mais do trabalho de Tom Abella nos links abaixo






sexta-feira, 24 de junho de 2016

Entrevista com Doomsday Hymn




Hoje vou trocar uma ideia com a galera do Doomsday Hymn, uma banda incrível, que mistura vários estilos dentro do Metal, o que resulta em um som único com uma característica bem própria:

Renato Ribeiro – Fala galera beleza? Bom primeiramente gostaria de agradecer pelo tempinho que reservaram para fazer nossa entrevista e perguntar a vocês algo que já devem estar cansados de responderem, como surgiu o nome Doomsday Hymn e o que significa o título do álbum e também da musica Mene Tequel Ufarsim?

GIL: “Doomsday Hymn” me veio em meio a muitos nomes que surgiram na época e durante o ano de 2012 e 2013 se falou muito no fim do mundo. Doomsday significa dia/juízo final e Hymn, hinos. Desta forma o nome é algo como: “hinos do juízo final”.
Já a música MTU, foi baseada no livro de Daniel 5:25, quando o rei Belsazar tem um sonho onde uma mão gigante escreve na parede: “Mene, Mene Tequel Ufarsim”. O rei sem entender nada manda chamar Daniel que interpreta o sonho como sendo algo do tipo: Pesaste foste na balança e foi achado em falta. O teu reino será tomado de ti. Trazendo isso para os dias atuais, é como alguém que toma as rédeas de sua própria vida sem se importar com aqueles a sua volta tornando-se uma pessoa egoísta, centralista e passando a viver uma mentira.

Renato Ribeiro – A arte da capa do álbum ficou muito bacana, o que representa a capa desse álbum com aquela imagem?

GIL: Como a citação acima para a música “Mene Tequel Ufarsim” a arte traz alguém que se torna seu próprio senhor e não mede as consequências dos seus atos se colocando em um pedestal representado pelo personagem de terno. O esqueleto nada mais é do que o mesmo personagem que em algum momento chegará a sua insignificância se tornando apenas mais um esqueleto.


Renato Ribeiro – A música de vocês instrumentalmente falando é muito técnica, cheios de detalhes, paradas, contra tempos, notas muito bem marcadas e acentuadas, podemos perceber a excelência realmente mostrada no CD, pelo fato da banda ter 3 anos, vocês parecem que tem um entrosamento considerável como se a muito mais tempo tocassem juntos, como surgiu o encontro desta formação?

Karím: Essa formação se consolidou há uns 18 meses, quando o Angelo entrou no lugar do Roney Lopes. Desde lá temos ensaiado semanalmente buscando justamente isso, entrosamento musical e intimidade com as músicas e os equipamentos que usamos.

Renato Ribeiro – Sobre equipamentos e timbres, o que a galera do instrumental costuma usar para reproduzir esse timbre fantástico e consequentemente o som animal que vocês fazem?

Karím: Bom , a gente procura usar o que tem de melhor, desde que esteja ao nosso alcance,  hoje em dia tem muitos simuladores para serem usados ao vivo, a galera tem feito coisas diferentes do tradicional, mas ainda é uma tecnologia de alto custo, e pra nós brasileiros, é algo quase que utópico. A gente segue usando a velha formula Cabeçote + pedais e caixas 2x12 ou 4x12 depende do palco e das condições de locomoção! Não abrimos mão do nosso técnico de som, é o sexto elemento e ele faz verdadeiros milagres na hora do show!





Renato Ribeiro – Já rolou algum tipo de preconceito com a banda com relação as letras, por tratarem-se de temas de superação de vida e ideologia Cristã, ainda tem disso ou é mais tranquilo hoje em dia?

Karim: Hum, não diretamente, não que a gente saiba. Sempre ouvimos comentários que um disse isso e outro aquilo, mas não temos conhecimento de termos perdido alguma data ou oportunidade por causa disso! Nos últimos anos, muitos preconceitos tem caído e as pessoas estão mais inteligentes

Renato Ribeiro – Agora tratando-se de vocal o Gil está fazendo um trabalho excelente nesse álbum, eu particularmente só havia escutado trabalhos anteriores com vocal mais limpo, e no Mene Tequel Ufarsim rola até uma mistura desse vocal mais gutural e do vocal mais limpo, o Doomsday Hymn sempre teve a ideia de colocar esse vocal mais agressivo?

GIL: Quando formei a banda em 2013, eu tinha o desejo absurdo de cantar de forma mais agressiva e que a banda soasse de certa forma moderna. Não foi fácil, pois, eu tinha toda a parte teórica da coisa na cabeça, mas, a execução desses vocais no início não foi fácil, porém eu adoro um desafio.

Renato Ribeiro – Vocês têm uma ligação muito próxima com os fãs e seguidores da banda, tanto nos shows quanto nas redes sociais, para vocês qual a importância de estar próximo ao público?

GIL: Total importância pois, sem eles não somos ninguém, não vamos a lugar algum. Nós buscamos sempre responder de forma rápida e atenciosa seja nas redes sociais como nos festivais e cidades por onde passamos. Isso é muito bom para todos pois, sempre aprendemos algo novo e temos um feedback muito legal.

Renato Ribeiro – Recentemente a banda completou 3 anos de existência, e pelo que vemos tem crescido a cada dia que passa, muita gente conheceu por meios de plataformas digitais, como iTunes, Spotify, Youtube e etc... Hoje para uma banda que está iniciando seus projetos e lançamentos, é mais fácil gerar receita lançando trabalhos em plataformas digitais ou ainda a procura por mídias de CDs ou DVDs ainda é maior?

Karím: A mídia física não vai desaparecer tão cedo, tem perdido espaço porém, ainda vendemos bastante CD em shows. Gerar receita? Hum, hoje em dia gera-se receita com merchandising e com cachês, algumas bandas pra não dizer quase todas, ainda não conhecem esse tal de cachê, mas temos fé que um dia ele se materializará diante de nós. (risos)

Renato Ribeiro – Em momentos de descontração o que cada integrante curte escutar? Curiosidade: Há alguma coisa menos metal que cada um curte em particular?

Gil: Eu adoro Beegees, Michael Jackson e Johnny Cash por exemplo.
Karím: Muito Hard Rock

Renato Ribeiro – Como foi a aceitação do público com a Tour da América Latina? Quais os planos futuros?

Karím: Excelente, foi nossa primeira tour pela américa do sul, alguns contatos foram feitos de última hora, outros fomos conhecer só na hora do evento, então alguns shows foram fracos outros ótimos, mas nada do que reclamar, fizemos ótimos novos contatos, ótimas amizades, deixamos todas as portas abertas para uma nova tour que deve sair ainda esse ano! O público, bom, foi um show a parte, por onde passamos fomos excelentemente bem acolhidos e recebidos.

Renato Ribeiro – Gostaria de agradecer novamente pelo apoio ao Blog e pelo tempo reservado pra fazerem essa entrevista, sucesso e muito som ainda, gostariam de deixar uma mensagem para nós e para os leitores?

Karím: A de sempre, apoiem as bandas nacionais, comprem material, CDs, Camisetas, Bonés, Cuecas o que for, pois agora, é nossa única fonte de renda! Agradecemos de coração a todo fã do DDH, vocês nos dão força para seguirmos adiante, é para e por vocês que fazemos isso tudo!

Renato Ribeiro: Galera quem quiser conhecer um pouco mais do Doomsday Hymn abaixo tem um pouco mais do trabalho deles VALEU DDH até a próxima tudo de bom e sucesso.









Site Oficial: www.doomsdayhymn.com
Facebook: https://www.facebook.com/DoomsdayHymn
________________________________
Disponível no:
Itunes: http://bit.ly/ItunesDDH
Google Play: http://bit.ly/GooglePlayAPP
Amazon: http://bit.ly/AmazonAPP
Spotify: http://bit.ly/SpotifyAPP
Deezer: http://bit.ly/DeezerAPP
Rdio: http://bit.ly/RdioAPP

CD - Versão Nacional:
Die Hard:
http://bit.ly/DieHardRecords
Metal Mission: http://bit.ly/MetalMission
Alerta Records: http://bit.ly/AlertaRecords

CD - Versão Americana (Com bônus).
Rottweiler Records: http://bit.ly/RottweilerRecords




quinta-feira, 23 de junho de 2016

SABIA ??? Músico não é obrigado a ter registro na OMB






STF decidiu que músicos não precisam de inscrição na Ordem os Músicos do Brasil (OMB) para serem reconhecidos como tal. Segundo o Supremo Tribunal Federal, a atividade de músico é uma manifestação artística protegida pela garantia da liberdade de expressão, e, portanto, exigir inscrição na Ordem, bem como de pagamento de anuidade, contraria a Constituição.
A decisão do Plenário Virtual do STF foi tomada no início dessa semana e se impõe ao acórdão do Tribunal Regional Federal da 3ª Região que julgava como válida a exigência do registro. Para o TRF-3, “músico profissional é aquele inserido no mercado de trabalho, percebendo rendimentos em razão de sua manifestação artística, para sua sobrevivência e a de seus familiares, não constituindo a música simplesmente uma atividade de lazer”, dizia o acórdão.
A definição do STF, no entanto, segue os autos do Recurso Extraordinário (RE) 795467, de relatoria do ministro Teori Zavascki, obtido pelas cantoras Iará Rennó, filha de Tetê Espindola, e Andreia Dias.
As cantoras contestavam a exigência do registro e apontavam ofensa ao artigo 5º, incisos IX e XIII, da Constituição, no sentido de que a função normativa e fiscalizatória exercida pela OMB sobre os músicos populares é incompatível com Constituição Federal. Afirmaram que a carreira de músico popular não pode sofrer limitação, pois a música popular é uma expressão artística assegurada constitucionalmente, independentemente de censura ou licença prévias, e que a Lei 3.857/1960 não foi recepcionada pela Constituição. As artistas sustentaram, ainda, que não há interesse público a justificar qualquer policiamento às suas atividades, já que não há qualquer potencialidade lesiva a terceiros.
Em sua manifestação, o ministro Teori citou a ementa da decisão no RE 414426, relatado pela ministra aposentada Ellen Gracie, no qual se decidiu que “a música é uma arte, algo sublime”, e que qualquer “restrição a esta liberdade (profissional) só se justifica se houver necessidade de proteção do interesse público, por exemplo, pelo mau exercício de atividades para as quais seja necessário um conhecimento específico altamente técnico ou, ainda, alguma habilidade já demonstrada, como é o caso dos condutores de veículos”.
As informações são do portal UOL.

Boss lança afinador para IOS e Android




Boss anunciou o lançamento de um afinador em formato app. Volto para guitarra, baixo e outros instrumentos de corda, o Boss Tuner App é compatível com sistemas Android e iOS, além de apresentar a estética do pedal original TU-3.
O download é gratuito. Acesse os links abaixo para baixar:

Baixe o aplicativo e tire suas conclusões.

terça-feira, 21 de junho de 2016

Analise JamUp Pro XT: processador de efeitos de guitarra e baixo para iPad e iPhone

Eai pessoal tudo bem? Estaremos comentando hoje sobre um aplicativo muito interessante para guitarristas e baixistas o JamUp. Para os guitarristas, os primeiros aplicativos de iPad/iPhone eram pequenos acessórios, como metrônomos e afinadores. Logo, passaram a emuladores amadores de efeitos e amplificação, adequados para tocar em casa ou, no máximo, aquecer no backstage. Lentamente, surgiram alguns emuladores melhores, onde era possível timbrar bem, com pouca latência e boa usabilidade. O iPad/ acabava de conseguir substituir a pedaleira, ou boa parte dela. Neste review, daremos uma olhada em um dos melhores apps de efeitos para guitarra, o JamUp Pro XT.




Interface

Quando foi lançado, o JamUp Pro se lançou ao desafio de ser realmente usável em palco. Uma interface rapidamente compreensível, apesar de um pouco carregada visualmente, dá acesso a seis pedais e um amplificador, em miniaturas, encadeados na horizontal. Ao selecionarmos um desses efeitos, seus parâmetros aparecem na parte central da tela, com botões giratórios, como em um pedal físico. Se arrastarmos a miniatura, podemos alterar a ordem dos efeitos, e um duplo clique leva à seleção de qual pedal colocar nesse espaço.
Vídeo de apresentação:


Efeitos

O pacote de efeitos básico já é suficiente para bastante diversão, com timbres muito bons dos amplificadores mais comuns como o Fender Twin Reverb e o Marshall JCM-800, entre outros. Mas a brincadeira fica séria com os pacotes mais especializados de timbres e efeitos; são sete pacotes, com amplificadores e pedais, sendo dois packs voltados para contrabaixo.

Além deles, é possível adicionar, via in-app purchase (compra dentro do aplicativo), um gravador de oito canais e a emulação do Whammy, um pitch shifter bastante conhecido. Aliás, um grande ponto para a PositiveGrid, que produz o JamUp Pro, é a atualização constante, não apenas para resolver bugs, mas para acrescentar packs novos.
Demonstração de um dos pacotes de efeitos para o JamUp Pro XT:

Os efeitos são divididos em seis categorias – Redutores de ruído, filtros, distorções, delays, modulação e reverb – somando 42 efeitos. Os amplificadores são, atualmente, 34. Como a ordem e os parâmetros são bastante flexíveis, é possível, com a mesma dedicação que exige um enorme set de pedais, chegar a timbres fantásticos.

Controle, latência, acessórios


Para controlar esse monte de efeitos existem bancos de presets que podem ser acessados via MIDI, via pedais AirTurn e também com um pedal de controle da Griffin, o Stompbox.
Se o usuário não quiser usar pedais, ainda é possível ativar um modo LIVE, em que a seleção dos presets ocupa a tela toda, facilitando a escolha das programações. Usando acessórios, é possível controlar, via pedal de expressão, volume ou wha.
baixa latência do JamUp Pro foi o que me chamou a atenção primeiro – quando comecei a testar apps para aposentar minha pedaleira, ainda não havia Audiobus e vários apps, inclusive o Amplitube, ainda não pretendiam ser levados ao palco. Os timbres também chamam a atenção, mas não imediatamente: enquanto o Amplitube tem presets de fábrica muito bons, o JamUp precisa ser cutucado para mostrar a que veio.
Como ele é feito para ser utilizado com um amplificador (de guitarra ou um PA), vale a pena gastar um tempo para encontrar a relação correta de volumes de entrada e saída e efeitos desejados, junto com a programação dos efeitos.
Como em todo app processador de áudio, uma interface que usa o conector dock/lightning soa muito melhor do que um adaptador de entrada de fone/mic. E, dependendo do acessório utilizado, é possível diminuir ainda mais a latência do ipad, deixando a sensação de que a minha Boss GT-8 vai ficar realmente juntando pó.

O JamUp Pro possui uma área de compartilhamento de presets, que pode ser legal para começar a procurar sua sonoridade. Ele também possui afinador, metrônomo, sampler e um tocador de mp3 com variação de timbre e velocidade – o Jam Player, disponível como app independente. É compatível com o Audiobus e está embutido no Auria.

Disponibilidade e preço

JamUp Pro XT para iPad e iPhone está disponível na App Storre no link abaixo.

O JamUp Pro é certamente um dos melhores, senão o melhor, app de efeitos para guitarristas. A interface é um pouco mais carregada do que deveria, mas é bastante fácil de utilizar e configurar.
A latência é incrivelmente baixa e os timbres são muito bons, mas vale verificar se o volume de saída está compatível com o seu método de amplificação: Plugar uma saída de headphone num amplificador valvulado pode ser uma péssima ideia, e a saída alta desse app pode prejudicar seu julgamento, saturando tudo e mudando radicalmente o timbre desejado.
Lembrando também que a Positive Grind tem aplicativos para PC e MAC também, da uma conferida no site abaixo:
https://www.positivegrid.com/






Fonte: http:// musicapps.com.br




sexta-feira, 17 de junho de 2016

Entrevista com o guitarrista Vandré Nascimento



Fala galera beleza? O papo rolou hoje com o grande musico, guitarrista e professor Vandré Nascimento, espero que curtam e conheçam um pouco mais desse guitarrista extremamente virtuoso.





Renato Ribeiro - Hoje tenho a honra de apresentar na entrevista dessa semana um músico muito talentoso e também uma pessoa incrível, estamos falando de Vandré Nascimento, então Vandré como estão as coisas, correrias novidades?

Vandré Nascimento: Primeiramente, muito obrigado pelo apoio que vem dando a mim e ao meu trabalho, e a honra é toda minha em participar de seu blog!!
Aqui as coisas nunca param...rssrs  sempre desenvolvendo uma ideia, uma música, uma publicação ou outra… Aulas...Gravando o meu Curso Especial sobre Heavy Metal para o Guitarpedia, enfim, bastante trabalho!

Renato Ribeiro – Vamos começar nosso bate papo falando de equipamentos hoje, você é um guitarrista extremamente virtuoso e que tem um timbre pesado, claro, mais bem particular, hoje o que você tem usado de equipamentos para gravações, tour ou workshop?
Vandré Nascimento: Fico feliz que acompanhe e que goste do meu som! Muito obrigado! rs
Meu equipamento é relativamente simples… Uso um Cabeçote Matusa G2 100 todo valvulado,  com 100 Watts, é um cabeçote construído artesanalmente, feito sob minhas especificações, com a caixa também matusa 4x12 com 4 falantes Eminence V 128 com 100 watts cada um!…
Quando uso as duas guitarras ao mesmo tempo uso um outro cabeçote, um Meteoro Falcon 50, Faíska Signature, um cabeçote bem bacana de 50 watts. Confesso que não sou nenhum pouco fã dos amplificadores da Meteoro, mas esse cabeçote eles acertaram!! (risos) Já tive outros modelos e acabei vendendo por não ter gostado!
Cabos uso os Dragon Cabos, empresa que passou a me fornecer os equipamentos nesse ano! São ótimos esses cabos!…
Pedais são o resultado de anos e anos de pesquisas…..Hoje uso o Flint(Reverb/Tremolo), Brigadier(Tape Delay), El Capistan(Analog Delay), Mobius(Modulações), todos da famosa Strymon… Minha distorção da guitarra principal, fica por conta de um Bogner Red Ecstasy, pedal muito versátil e com um som bem robusto!...Ainda nesse pedalboard conto com um ISP Decimator G String II(Noise Reduction), um dos mais legais que conheço, pois esse pedal não corta o som quando uso dinâmicas mais baixas….Tenho também um Cry Baby Wha Wha o velho e querido GCB 95, esse me acompanha há quase 20 anos!!rsrs Completando esse setup tenho um Tc Electronic Polytune Mini(Afinador) e um AKG WMS 40 Wireless System….
Complementando esse pedalboard uso ainda um Digitech Wammy, uma série comemorativa de 20 anos desse pedal, ele é todo Cromado ao invés do vermelho comumente usado nesses pedais...E pra fechar, tenho ainda um Rocktron Banshee 2 Talkbox(Coisa de velho né??rsrs), que é um efeito que adoro usar!
Para a segunda guitarra uso um KOCH Pedaltone, um pedal todo valvulado com 4 válvulas 12 AX 7, feito na Holanda, que na verdade é um pré-amplificador, com saídas pra mesa de som, saída direta pra um power Amp, saída de fone de ouvidos e uma saída comum, como a de um pedal qualquer, esse pedal é fantástico, uso ele como minha distorção principal tocando com o Madgator, que exige um som mais agressivo mas sem perder aquela característica Rock n Roll….

Para alimentar a maioria dos pedais uso as fontes Powerplay(Pros Strymon, ISP, AKG Wireless, Tc Electronic , Cry Baby e Bogner), os demais pedais usam fontes específicas.
Com a Rox Stage, lançamos o meu modelo Signature de Gabinete, o VANNA 1, uma caixa 4x12, com 2 falantes Eminence GB 128 de 50 Watts e 2 V 128 de 100 watts da mesma marca! Esse gabinete é uma verdadeira obra de arte, feita com muito capricho. Essa é que tem segurado a bronca em todos os meus shows e gravações!
Ainda falando em amplificadores, em shows e workshops menores, uso um Amplificador Line 6 Spider II(Guerreiro!!!!), que está comigo há uns 10 anos, ou mais!! Um excelente amplificador! Para a s aulas tenho um Cabeçote Orange Micro Terror de 20 watts, esse é um Lobo em pele de Cordeiro..rssrsr Tem muito, mas muito volume, principalmente se conectar ele na minha Rox Stage 4x12...É de estremecer o ambiente!...Fecho com um Bugera BC 15 watts, que meus alunos adoram, é um amplificador com o pré valvulado, que tem um som vintage muito bacana! E nesse deixo um pedal Argentino, o BSQ Scuttle Buttin', que é como um Tube Screamer da Ibanez...Pedal bem bacana também!


Renato Ribeiro: Ainda falando em equipamentos nos fale um pouquinho de suas guitarras?

Vandré Nascimento: Minhas guitarras são da Ibanez, a de 6 cordas é uma RGD 320 Z, com captadores Seymour Duncan AHB-3 Ativos, Mick Thomson Model(Slipknot), A de 7 cordas é uma “S Series” também com os mesmos captadores e a de 8 cordas uma Iron Label com Captadores EMG 808 ativos, todas elas são com o braço escalopado. Um detalhe na guitarra de 6 cordas: chamo ela de “Madguitar”, pois a pintura dela, feita com tanto carinho pela Music Kolor Pintura em Instrumentos, leva a logomarca do Madgator.
E claro, em todas uso as Solez Strings, e um detalhe importante, é que os jogos de 7 e 8 cordas são feitas com exclusividade para as minhas guitarras, sob as minhas especificações!

Renato Ribeiro: – Falando um pouco de carreira musical, você estudou com grandes nomes da música teve muito empenho e dedicação pra chegar onde está hoje, claro que isso é fruto do seu esforço também. Você acha que hoje ter aulas particulares ou estudar em escolas de música tem mais peso na formação de um músico ao invés de uma faculdade de música?

Vandré Nascimento: Vamos partir do princípio de que, quem faz a coisa valer a pena é o aluno….De nada adianta o pretendente a músico, estudar na melhor escola do mundo, sair da escola, chegar em casa e ir jogar vídeo game!...Muitas vezes, o professor nem é tão virtuoso(E isso não é obrigação de qualquer que seja o músico! Pode-se ser um músico notório sem ser necessariamente um virtuoso!), mas esse sabe e tem amor pela arte de ensinar, e com a dedicação do aluno a coisa flui!
Recomendo que estudem, independente se está com um professor particular ou num conservatório, ou ainda sendo um autodidata!
O que foi destruidoramente banalizado, se deu por conta de “alunos” que acham que buscar conhecimento no youtube, ou nesses sites “famosos”, acham que vão aprender algo… O que não é verdade...Existe muita, mas muita informação, mas desconectas, e por muitas vezes erradas ou equivocadas... Por isso acredito que a música, deve ter seu devido respeito, e deve ser estudada com o acompanhamento de um professor, gabaritado(Não quer dizer que tenha que ser formado em faculdade de música!), aquele professor pesquisador, que ama a arte de ensinar, que sabe o que passar para que o aluno supere suas dificuldades.
Sobre as faculdades de música, depende muito da escolha profissional da pessoa...Se o músico decide por ser um sideman, ou ter uma banda de cover, convém ele estudar o repertório para realizar seu trabalho com maestria, claro, não estou aqui, desencorajando as pessoas a não fazerem faculdade, mas acredito que a mesma, não transforme ninguém em músico apto a realizar a mesma função, pois vejo por aí, formados que não conseguem tocar uma música sertaneja, que não tem a pegada daquele músico que está fazendo bailes, ou tocando nas noites por aí numa banda de covers...Salvo claro aquelas poucas exceções que realmente saem da faculdade e fazem a diferença no meio musical!
No entanto, dependendo da carreira escolhida, um diploma vai fazer a diferença, principalmente para quem quer seguir na carreira como professor num conservatório, onde o diploma realmente pesa no currículo.

Renato Ribeiro – Muitos músicos acham apenas um sonho a questão viver de música no Brasil, todos sabemos e sempre há muita gente com dúvida para qual rumo tomar na música, há várias áreas dentro do mercado musical, poderia citar hoje quais as áreas que você trabalha hoje?

Vandré Nascimento: Existem muitas áreas de atuação dentro do mercado musical. Do Industrial fabricantes de instrumentos ao vendedor da loja, do professor de música ao entusiasta que faz aquele som na noite e ganha seu dinheiro dignamente!
Eu atuo desde 1995 profissionalmente, por muitos anos o meu foco era ensinar, ainda é na verdade, mas não como a 10 anos atrás. Mantenho alguns alunos, mas hoje prefiro atuar nos palcos por aí afora!
Tenho uma agenda agitada, com shows marcados até o fim de 2016, com a Sete Rock Band, banda de Classic Rock e com um repertório especial com um Tributo ao David Bowie.
Trabalho ainda no segundo CD do Madgator, primeiro comigo nas guitarras e primeiro CD do Maestra banda de Heavy Metal da qual faço parte também. Bandas essas de música autoral.
Atuo ainda na área do ensino de música, gravando aulas pro Guitarpedia, onde além do Curso Especial do Heavy Metal, tenho o curso regular em guitarra e o de Two Hands/Touch Technique.


Renato Ribeiro: Agora mudando um pouco o rumo da conversa, o que você tem escutado de música em momentos de descontração?

Vandré Nascimento: Eu gosto muito dessa nova onda de som pesado, o “Djent”, ouço muito uma banda chamada “Vildhjarta”, os caras são fenomenais! Ouço muito Lamb of God, Slipknot, In Flames, dentre tantas outras bandas nesse segmento…
Mas gosto muito de vários sons enquanto dou aquela descansada ou enquanto degusto o meu velho e querido Cachimbo! Sim eu amo a nobre Arte do Cachimbo!!...Ouço Allan Holdsworth, Frank Gambale, além dos Guitarristas mais conhecidos de todos, Steve vai, Joe Satriani, Yngwie Malmsteen, Greg Howe e bandas como Metallica, Guns n Roses…...Ahh...adoro o som da banda do Slash, nessa fase com o Myles Kennedy...Ele realmente me surpreendeu nos discos dessa nova fase!

Renato Ribeiro: – Sobre o seu novo projeto Super Colossal - Joe Satriani Tribute nos conte um pouco sobre essa novidade.

Vandré Nascimento: Muito legal que acompanhe meu trabalho… Fico imensamente feliz!!
Esse projeto surgiu de uma conversa com um grande amigo, o guitarrista Edu di Carvalho, ele me incentivou a fazer esse tributo, e claro, nem pensei duas vezes, pois já fazia o Malmsteen Tribute desde 2002...E queria dar uma mudada no repertório sem deixar de tocar música Instrumental. Aí chamei um pessoal bacana e estamos trabalhando pra colocar pra rodar o quanto antes!!! Em breve estaremos aí na estrada!
Inclusive além do Super Colossal-Joe Satriani Tribute, essa banda tocará sons autorais, com composições minhas e dos integrantes, fora as que compusermos juntos! Temos a Aditivo Music Management que além de cuidar da minha agenda como artista solo, cuidará também da agenda desse projeto!

Renato Ribeiro: Antes de finalizar gostaria de parabenizá-lo pelo reconhecimento que você tem tido pelas revistas internacionais de guitarra, é um orgulho para nós brasileiros termos feras nos representando dentro e fora do país, se possível pra fechar gostaria de deixar algum recado para nós e para nossos leitores?

Vandré Nascimento: Realmente, hoje estou colhendo ótimos frutos, tenho participado de publicações internacionais como o “Legions of Virtuosity”, livro com lições de técnica para guitarra, com guitarristas da América Latina, essa publicação tem origem no México, ao mesmo tempo escrevendo uma coluna mensal na Revista “Guitarristas y Bajista.ar” da Argentina, que é distribuída em toda América Latina e saiu nesse mês(06/2016) uma entrevista que foi traduzida e veiculada na “Guitarviator”, uma revista Eletrônica também Argentina!
Tudo isso é pra mim uma grande realização, poder estar entre os guitarristas que representam o nosso País, pelo mundo, claro, estou chegando agora nesse mercado internacional e tenho muita coisa pra aprender e desbravar!
Muito obrigado pelo apoio! Isso me mantém no foco, esse é o combustível para que eu continue, mesmo com as dificuldades que existem no caminho!
Agradeço a você pelo espaço, realmente uma alegria enorme em ter o apoio do Blog.
Quero agradecer às Empresas que apoiam meu trabalho, são elas: Powerplay, Rox Stage, Music Kolor, Dragon Cabos, Solez Strings, Injecta.net(Empresa que construiu o meu site!), Aditivo Music.

Sobre deixar uma mensagem, quero dizer que “Quando se faz o que gosta, o sucesso é Inevitável!”….
Estudem, se dediquem, pois há lugar pra todos nós, e o mundo da música precisa da sua contribuição!.. Assim vamos sacudir a poeira, e vamos estudar música!!!!
Para quem quiser saber mais sobre meu trabalho, basta acessar meu site, lá tem todos os contatos, vídeos, fotos e muito mais!


Grande abraço em todos!

Vandré Nascimento



quinta-feira, 16 de junho de 2016

Entrevista com o guitarrista Brunno Silva



Fala galera beleza?

Como prometido estaremos iniciando nossa primeira postagem sobre nosso bate papo sobre musica, temos aqui hoje entrevista com o muito talentoso guitarrista Brunno Silva. Confira abaixo:


Renato Ribeiro: Eaí Brunno tudo bem? Primeiramente gostaria de agradecer por tirar um tempinho e atender a entrevista para o blog. Então seguimos com nossas perguntas, falando primeiramente de como foi o seu início de carreira, como foi a passagem do início/amador para o profissional?

Brunno Silva: Eu que agradeço ao portal pela oportunidade e interesse em minha carreira musical. Fico feliz em contribuir com cenário da música no Brasil.
Meu início não foi diferente de muitos músicos cristãos, desde 9 anos da igreja e sempre me chamava atenção os grupos de música na igreja e isso foi despertando em mim vontade de tocar e o instrumento que desde o início me chamou atenção foi a guitarra.
De 9 para 10 anos iniciei meus estudos de guitarra com professores da região.
Dos 15 aos 18 sempre participei de bandas da cidade ' Itaúna MG ' diferentes estilos do pop ao metal, já dava aula em escolas de música da cidade também, e sempre estudando e me preparando.
Sempre falo nos meus Workshops que desde o início o amor a música era tão forte que nunca quis ter plano B sempre quis ser músico e fiquei nisso.
Aos 18 anos me mudei para capital Belo Horizonte então saindo do amador e ingressando no profissionalismo, participando de bandas maiores e acompanhando cantores.
Trabalhei com cantores tanto gravação de DVD como viajando por MG.
Com cantor Gerson Freire dei início a turnê pelo Brasil.
Em 2010 tive a oportunidade de trabalhar com cantor internacionalmente conhecido David Quinlan viajando Brasil e Exterior, momento de aprendizado e contribuições. Chegamos gravar o disco ao vivo Eu Quero Mais e muitos programas de televisão.

Renato Ribeiro: Vemos claramente influencias no seu som por Steve Vai, Satriani, Petrucci dentre outros, falando um pouco de estilos de música o que você curte escutar hoje? Quando sai pra viajar ou em casa qual é o som que rola?

Brunno Silva: Sim já ouvi muito Steve Vai e Satriani e são astros fenomenais que ultrapassaram o cenário da guitarra no mundo, posso dizer que me identifico mais com John Petrucci e Kiko Loureiro pelo leque musical que cada um acompanha e estilos que me agrada muito. Mais procuro ouvir muitos músicos e não só guitarrista para adquirir vocabulário musical mais amplo.
Tenho ouvido em viagens pelo Brasil, músicos e bandas como Scott Henderson, Mateus Assato, John Mayer, Jesus Culture, Arismar do Espírito Santo, Marcus Miller, claro aqui só um pouco do que tenho pesquisado.

Renato Ribeiro: Agora falando um pouco de equipamentos  atualmente você está usando guitarra da Music Maker não é mesmo ? Nos fale um pouco do que você usa, guitarras, efeitos, amplificadores.

Brunno Silva: Recentemente fechei parceria com Music Maker do Luthier Ivan Freitas e com toda certeza uma das melhores guitarras do mundo tanto em tocabilidade, sonoridade e acabamento não perde pra nenhuma marca de fora, recomendo a você leitor do Blog Music Universal Language a conhecer a Music Maker Guitars.
Sobre pedais eu uso analógicos a sonoridade que me agrada, tenho desde afinador a 3 delays de várias marcas tanto nacionais e gringas.
Meus pedais são alimentados pela fonte Power Play acredita que uma fonte consegue alimentar meus 12 pedais, e ruídos com ela não existe, estou muito satisfeito com a Power Play fontes.
Meus pedais estão nos pedalboard da HRS empresa muito séria e com produtos de alta qualidade e segurança.
Cabos tanto para conexões de pedais e guitarras são da StrongCable fidelidade que achei neste cabos é impressionado.
Palhetas são da Gutti eles tem modelos que eu usava só de marcas internacionais e com a Gutti consegui a qualidade, e o melhor de tudo produto nosso brasileiro.
Amplificadores estou namorando a Borne cheguei ir a fábrica e conhecer cada etapa e garanto que a excelência e o cuidado que a Borne tem com cada produto é magnífica.
Como viajo muito precisava de uma segurança para guitarras e com a Newkeepers encontrei tanto essa segurança como designer em bags, não abro mãos dos meus bags da Newkeepers.
Recebi, gostei e aí sim fechamos parceria com as correias das SAINTSSTRAP são muito modernas e em couro, detalhe especial para fivela, estou muito satisfeito em também estar no time.
Parceria ou endorser como você deseja pensar, precisa ser muito mais que só usar você precisa confiar e ter a certeza que você está indicando uma marca que realmente seu amigo ou seus admiradores vão estar satisfeito como você.

Renato Ribeiro: Como é viver hoje de música no Brasil?

Brunno Silva: Viver de música no Brasil é como em outras profissões, nada fácil mais se você fica esperando algo vir do além e não trabalhar com certeza terá dificuldades para viver dignamente com música.
Costumo dizer que crise é para quem não sabe inovar e ser inteligente.
Eu não vivo a economia do Brasil eu vivo as promessas de Deus para minha vida, e ele não depende de nada para abrir portas para ninguém.

Renato Ribeiro: Qual foi a maior dificuldade que você teve na sua carreira? Alguma vez já pensou em desistir da música?

Brunno Silva: Dificuldades sempre existiram ou vão existir mais não foco nelas e sim como vou passar por elas.
Desistir jamais desde meus 9 anos, é isso que quero e será até meu último respirar.

Renato Ribeiro:Você expressa bastante em suas músicas e nos workshops uma ligação bem grande com Deus, pra você qual a maior ligação que rola entre Deus/Musica?

Brunno Silva: Sim, de um tempo pra cá estou tendo a necessidade são só de ser músico mais um pessoa que toca o coração de Deus com dom que ele me deu.
Meu propósito tenho sido que nos Workshops preciso ser instrumento para levar as pessoas a reconhecerem e quererem muito mais que ser um músico ou a fama, mais ter intimidade e um tempo ao lado de Deus conversando com ele e dividindo o que tem em seu coração.
Ser músico com excelência, eu prezo por isso, mais ser amigo de Deus tem me levado a situações de conhecer mais a ELE.
Tenho enfatizado isso nos Workshops, que enquanto você procurar fazer com suas próprias forças você não terá o melhor de Deus, tanto na música como em geral.

Renato Ribeiro: Gostaria muito de agradecer a você por ter esse tempo com a gente, foi muito legal esse bate papo, pra finalizar que tal comentar quais os planos futuros e uma mensagem para nós e aos leitores do Blog ?

Brunno Silva: Eu que fico feliz em servir a vocês e espero que minhas palavras edifique aos leitores ardendo a vontade de estudar e conhecer a Deus não só como Deus mais como um amigo íntimo.
Como alguns sabem já tenho um disco com nome de New Time e já estou em estúdio preparando o segundo disco e planos para um DVD mesclando os dois discos.
Aos leitores que Deus continue lhe abençoando e nos encontramos por este Brasil abençoado.

Renato Ribeiro: Valeu Brunno desejamos sucesso a você que venha muito som ainda por ai, valeu a parceria. Galera espero que tenham curtido curta nossa pagina no facebook também.

https://www.facebook.com/Music-Universal-Languages-283939705289028/?fref=ts



E também
Acompanhe Brunno Silva nas redes sociais:
Instagram : @brunnosilvagtr
Page: https://www.facebook.com/BRUNNOSILVAofficial/?fref=ts